Estrelas do Futuro e Além – Vídeo #1 — Beia Carvalho — Palestras

Quer ficar por dentro do futuro? Fácil. Deixe seu email e receba os super artigos da Futurista Beia Carvalho 😉

 
11 de maio de 2017

Estrelas do Futuro – #1

Série Estrelas do Futuro e Além

Batizei minha nova série de vídeos de ‘Estrelas do Futuro e Além’. É baseada no filme ‘Estrelas Além do Tempo’, história verdadeira de 1961.

Por que esse filme é importante para o atual mercado de trabalho? Por que tem importância para o futuro?

Porque a semelhança entre aquela época e a era que estamos vivendo é incrível.

A visão de hoje não é mais chegar à Lua. Agora, queremos povoar Marte! Chegar aos 7 novos planetas que a NASA descobriu

Taraji Henson interpreta Katherine Jonhson, o gênio matemático da NASA.

Mas as suscitações, provocações, afrontas, desafios, irritações, apreensões, inquietações, nervosismos, hesitações, vacilações, dúvidas e toda a ansiedade gerada são as mesmas.

Por que? Porque tanto quanto a humanidade dos anos 1960, estamos vivendo na fronteira de uma nova era.

As fronteiras tem em comum sonhos que deixam de ser impossíveis, e se transformam em sonhos “quase” possíveis. Esse “super poder” de realizar sonhos é uma energia rara, que acontece em situações limite, como quando a humanidade está de mudança para uma Nova Era.

De um lado, essa energia nos excita a ir ao encontro do impossível. De outro, nos amedronta, nos paralisa, faz com que nos agarremos a velhos e ineficazes preconceitos e ao conforto de nossas velhas certezas.

Estrelas Além do Tempo, título original Hidden Figures.

Para quem ainda não assistiu, o filme conta a história verdadeira de uma equipe mulheres negras, matemáticas, que desempenharam um papel vital na NASA, naquela corrida dos EUA contra a Rússia, para mandar um homem para o espaço. Visite o site de cinema IMDB para uma descrição mais completa. Ou nas notas finais.

Estrelas do Futuro e Além - video #1

“Que lições aprendi do filme ‘Estrelas Além do Tempo’?” Essa é a pergunta final de um artigo da Forbes que traduzi livremente, escrito por Paolo Gaudiano and Ellen Hunt e que você pode ler aqui no meu blog. Os autores descrevem 9 lições sobre diversidade e inclusão no mercado de trabalho.

Quando terminei a tradução, senti que queria mais. Para mim, o filme trouxe aprendizados diferentes dos que o artigo tratava. E resolvi compartilhar as minhas reflexões e impressões.

Num impulso, sentei e comecei a traduzir loucamente os diálogos que mais impacto haviam me causado. E decidi: vou gravar um vídeo. Bem, o roteiro começou a ficar longo demais e me encorajou a criar esta série de 3 vídeos, que traz o debate, bem ali, junto a cada um dos diálogos originais que me impressionaram. Espero que a série agrade igualmente àqueles que já assistiram ao filme e aos que ficarem curiosos por chegarem ao cinema, ou ao streaming.

Série de 3 vídeos: Estrelas do Futuro e Além

Apesar de se passar nos anos 1960, o filme trata de 3 problemas que o mercado de trabalho não resolveu até hoje: Visão de Futuro e Liderança, Igualdade de Oportunidades, e do que eu chamo Cair na Real.

Na série, falo de 5 personagens:

Al Harrison, o líder: interpretado por Kevin Costner. Ele é o cara que não exerce o poder pelo poder, ele quer colocar um homem no espaço e sabe que tem que valorizar talentos e ignorar a negatividade.

Al Harrison, o líder: interpretado por Kevin Costner

Paul Stafford, o cuzão: interpretado por Jim Parsons, o Sheldon do Big Bang Theory. O cara que representa a passividade e negatividade.

Paul Stafford, o cuzão: interpretado por Jim Parsons, o Sheldon do Big Bang Theory.

Mary Jackson, a engenheira, com a Janelle Monae, primeira engenheira aeronáutica afro-americana, lutou para projetar mulheres de todas as cores. Katherine Johnson, estrelado por Taraji Henson: o gênio matemático por trás dos cálculos da Apollo II e o Space Shuttle. E Dorothy Vaughan, interpretado pela candidata ao Oscar de melhor atriz Octavia Spencer, o gênio da IBM, e primeira supervisora afro-americana na NASA, uma de suas mentes mais brilhantes.

Janelle Monáe, a engenheira. Taraji Johnson, o gênio matemático e Octavia Spencer, o gênio IBM.

Neste 1º vídeo falo de Liderança e Visão de Futuro. O protagonista é Kevin Costner, de quem sou fã e tiete.

Poucos dias antes de assistir ao filme, recordei essa historinha sobre a visão da NASA, no início dos anos 1960, com uma jovem empreendedora digital, Bartira Pontes.

Observei que muitos bons profissionais e grandes empresas ainda se confundem com os conceitos de visão, missão, objetivos e metas.

O resultado dessa ignorância é a deficiência tomando o lugar da eficiência. São aquelas visões quilométricas, chatas e com palavras que nunca ninguém fala no dia-a-dia. Palavras impossíveis de serem lembradas e repetidas. Frases vazias, em geral um copy & paste de uma multinacional para outra. O prejuízo é claro. O preço é o desengajamento.

A visão da NASA era “co-lo-car um ho-mem no es-pa-ço”. Todo mundo pode entender e ecoar essa visão.

Quando era sócia da agência TBWA, conheci a história da visita do presidente dos Estados Unidos John Kennedy à NASA. Ao se apresentar para um faxineiro que limpava o chão, Kennedy lhe perguntou o que fazia ali na NASA. “Bem, Sr. Presidente, eu estou ajudando a colocar um homem na lua” (I’m helping put a man on the moon).

E não é que logo no começo do filme, a gente assiste ao diálogo entre Kevin Costner – diretor da Força Tarefa Espacial -, que vamos chamar aqui de LÍDER e Jim Parsons – engenheiro chefe do programa -, que vamos chamar de CUZÃO.

Líder: Você sabe o que a gente está fazendo aqui?

Cuzão: Tentando colocar um homem no espaço, senhor.

Líder: Exato. Então, pega esse seu trabalho e joga no lixo. Não é um insulto a seu trabalho. É só que ele está … obsoleto. Isso é pra você ver como as coisas andam rápido por aqui.

Não parece um diálogo de hoje? Quando a visão é fácil de ser entendida, repetida e ecoada, ela é compreendida pelo outro, por todos. A visão clara mostra no que devemos focar e isso nos impulsiona em direção ao futuro.

Mais um diálogo:

Líder: Nós estamos colocando um homem, num míssil e disparando ele no espaço. E isso nunca foi feito antes. E porque nunca foi feito antes … O que estou pedindo pra você fazer … o que estou pedindo para cada um de vocês, para todos os meus gênios, é olhar além dos números, olhar ao redor deles, através deles. É procurar por respostas que nós nem sabemos as perguntas, por matemática que ainda não existe. Porque sem isso, nós não vamos a lugar algum. Nós ficaremos aqui, na Terra. Nós não voaremos para o espaço. Não circularemos a Terra. E com toda a certeza não tocaremos a Lua. E em minha mente, eu já estou lá. Você está?

Não há como não trazer à tona a pergunta: você sabe qual é a diferença entre o líder e o chefe? O líder te coloca no eixo da visão. O chefe só quer estragar o teu dia.

Minha crença é que não temos mais tempo para vaidades de pequenos ou grandes poderes. Na nova era, no mundo complexo em que vivemos, mandar não faz sentido. Engajar sim. E engajar clama por liderança e visão. Vamos engajar as pessoas em torno de que? É por isso que quadros de visões equivocadas pendurados na recepção de empresas fazem cada vez menos sentido. Ou você nunca tomou um chá de cadeira numa dessas recepções e ficou ouvindo o que o boy – que está todo o santo dia nessas salas – tem a falar sobre aquelas palavronas estampadas na parede?

“Dizem que respeitam a todos, mas sempre me deixam aqui esperando por horas!” Quem nunca ouviu algum tipo de antagonismo?

A série de vídeos cobrirá 3 assuntos e 5 personagens

E para encerrar, uma citação de um dos atores que mais gosto no momento, Jim Parsons, o Sheldon da série de TV, The Big Bang Theory e a quem chamei de “Cuzão”, nesta minha série.

A exploração espacial foi um acontecimento muito importante para a humanidade. Você tem a questão dos direitos civis, representado na forma como os Afro- Americanos estavam sendo tratados. Você tem o problema da equiparação de gêneros representado na forma como as mulheres são tratadas. É um triângulo de 3 coisas vitais, e coisas vitais que ainda estão entre nós hoje enquanto uma sociedade.

Como eu digo neste primeiro vídeo: “Passados 55 anos, e uma abundância tecnológica inimaginável, ainda não resolvemos a equiparação entre os gêneros e os diversos, nem os direitos civis e nem as relações raciais. Nem no Brasil, nem no mundo.

No próximo post apresentarei o 2º vídeo: Futuro Chegou: Caia na Real. Discussão relevante, porque enquanto nos lamentamos e reclamamos da vida, nem a vida, nem o trabalho andam pra frente. Precisamos mudar as perguntas. Já caiu na real que tudo no mundo agora é temporário? Pois é, o mundo precisa de mais atitudes e menos desculpas.

E o vídeo do último post é sobre o palpitante assunto da Igualdade de Oportunidades, da libertação de padrões opressores, “libertar-se e não acolher quem te oprime”. Vamos falar delas, das mulheres que cruzaram as linhas de gênero, raça e profissão.

———————————————————

Notas:

Hidden Figures, o filme: O filme Estrelas Além do Tempo foi dirigido por Theodore Melfi e indicado ao Globo de Ouro e a 3 Oscars: melhor filme, melhor atriz coadjuvante e melhor roteiro adaptado. Ganhou 25 prêmios entre eles o Screen Actors Guild Awards 2017 pelo Melhor elenco. Baseado no livro de Margot Lee Shetterly, historicamente fidedigno (como o colapso das barreiras raciais, os movimentos pelos Direitos Civis, o assassinato de Kennedy), o filme conta a história de 3 mulheres americanas negras no início dos anos 1960, que trabalhavam como matemáticas no Centro Langley de Pesquisas da NASA, em Hampton, Virginia, EUA. Custou aproximadamente US$ 25.000.000.

Astrônomos descobrem sistema com 7 exoplanetas https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/02/22/nasa-descobre-sistema-estelar-com-sete-exoplanetas-e-eles-podem-ter-agua.htm

John Fitzgerald Kennedy: Kennedy foi o 35º presidente dos Estados Unidos. Nasceu em 1917, em Massachusetts, EUA e foi assassinado: 22 de novembro de 1963, Dallas, Texas, EUA. https://pt.wikipedia.org/wiki/John_F._Kennedy

Série Estrelas do Futuro e Além: no 3º vídeo da série de 3 vídeos que produzi sobre o filme, você poderá assistir ao “Discurso da Lua” (The Moon Speech), que o presidente Kennedy proferiu no Rice Stadium, em 12 de setembro de 1962, Houston, Texas. É muito emocionante. Ele seria assassinado, no mesmo Texas, 14 meses mais tarde.

Arquiteto Christopher Wren

História atribuída a Louise Bush-Brown (1896?–1973), diretora da Pennsylvania School de Horticultura para Mulheres. https://pt.wikipedia.org/wiki/Christopher_Wren

Artigo de Paolo Gaudiano and Ellen Hunt para a Forbes: “9 Leadership Lessons From ‘Hidden Figures’ About Workplace Diversity And Inclusion”: https://www.forbes.com/sites/gaudianohunt/2017/01/23/9-leadership-lessons-from-hidden-figures/#57ddec44560f

A citação original de Jim Parsons: “Space exploration was a very important human event.  You have a civil rights issue playing out with the way African-Americans are being treated. You have a gender equality issue playing out with the way women are being treated. It’s this triangle of three major things, three major things that are still with us today as a society.” Declaração dada ao site de críticas de cinema Rotten Tomatoes. http://www.hollywoodreporter.com/lists/hidden-figures-10-films-stars-real-life-inspirations-964715

Roteiro do filme no site IMDB: “Quando os Estados Unidos estavam na corrida contra a Rússia para mandar um homem para o espaço, a NASA achou talentos escondidos, num grupo de matemáticas afro-americanas que eram os cérebros por trás de uma das maiores operações da história dos Estados Unidos. Baseado nas inacreditáveis histórias reais de 3 dessas mulheres, conhecidas como “computadores humanos”, vemos como essas matemáticas, juntamente com outras mentes prodigiosas daquela época, rapidamente são promovidas na NASA, por seu trabalho em calcular o lançamento em órbita do astronauta John Glenn, e garantir seu retorno. Dorothy Vaughan, Mary Jackson e Katherine Johnson cruzaram todas as linhas estabelecidas de gênero, raça e profissionais, ao mesmo tempo em que o brilho e o desejo delas de sonhar grande, muito além de qualquer coisa já realizada pela raça humana, cimentaram seus feitos firmemente na história dos Estados Unidos como as verdadeiras heroínas americanas.”

 

 


Comentários


  1. Para contatar e contratar palestras com a futurista Beia Carvalho, ligue 11 99111 3019 #futuro #inovação #gerações #engajamento #longevidade #novas tecnologias #educação #novaera

    13 de fevereiro de 2018, 18:22
    By: beia


Comentar:

Você pode usar tags e atributos HTML